Projeto de professores da Ufal para desenvolver talentos da Matemática vira referência nacional e ganha apoio da FGV e Stone

Rodrigo 7 de março de 2024

Professor Krerley Oliveira, do Instituto de Matemática da Ufal, e alunos do Novo Ensino Suplementar: iniciativa com reconhecimento nacional

Após quase duas décadas como voluntário no treinamento de estudantes alagoanos de escolas públicas e privadas em competições como a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e a Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), o professor da Ufal e matemático Krerley Oliveira (integrante da equipe vencedora do prêmio Grand Prix Scientifique Louis D., em 2016), decidiu criar ao lado dos colegas da universidade, em 2022, um centro de ensino de excelência em Matemática e Computação para alunos do Ensino Médio terem acesso gratuito a uma grade complementar de aulas (no contraturno de suas escolas) e mais chances de conseguirem bolsas nas melhores instituições de ensino superior de Exatas do país.

Nascia assim o Novo Ensino Suplementar (NES), núcleo de ensino instalado da Ufal (com aula inaugural marcada nesta quinta, 7 de março) que ganhou destaque nacional atraindo parcerias de instituições como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e de empresas privadas como a fintech brasileira Stone.

“O Novo Ensino Suplementar é um grande exemplo de programa de seleção de jovens talentos que permite a alunos de excelente desempenho seguirem no aprendizado avançado de Matemática”, diz César Camacho, diretor do Centro para o Desenvolvimento da Matemática e Ciências (CDMC) da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, centro que oferece bolsas de estudo para alunos de escolas públicas de todo o país que se destacam pelo desempenho em Matemática. “Daí vem a convergência natural e a parceria com o nosso programa convida a alunos de escolas públicas a prestarem o vestibular da FGV e, uma vez aprovados, recebem bolsa de estudo e de manutenção além de acomodação nos dois anos iniciais num hotel de uso exclusivo dos nossos alunos”, diz.

Por meio da parceria com a FGV e com o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), cerca de 14 alunos do NES formados na primeira turma já conquistaram bolsas de estudo nestas instituições, enquanto outros seguiram para outras instituições de ensino superior em Alagoas e outros Estados.

Além da parceria com instituições de ensino, a iniciativa conta com o apoio de doadores privados e de empresas como a Stone, fintech brasileira de meios de pagamentos que decidiu apoiar o programa por meio de sua área de investimento social, Stone Impacta.

“Esses apoios são essenciais para que o NES possa crescer e expandir as oportunidades para que toda uma geração de alunos talentosos tenham a chance de seguir seus estudos e desenvolvam seu potencial”, diz o professor Krerley Oliveira, que também teve a chance de seguir sua carreira em Matemática graças a um programa desenvolvido nos anos 1990 na então Escola Técnica (hoje Instituto Federal de Maceió) pelo professor Edmilson Pontes, que formou gerações de pesquisadores e profissionais na área de Exatas em Alagoas.

Ao ganhar mais visibilidade, o projeto atraiu ano passado mais de 240 candidaturas de estudantes provenientes de 38 municípios de Alagoas e de outras regiões do Brasil, dos quais 57 estudantes foram escolhidos para iniciar o curso cuja aula inaugural está marcada para as 15h desta quinta (07), no auditório da pós-graduação do Instituto de Matemática do campus A.C. Simões, na Ufal.