CEO da Sephora do Brasil fala sobre o que motivou decisão da abertura da primeira loja em Maceió

Rodrigo 17 de junho de 2023

 

Andrea Orcioli, CEO da Sephora, na abertura da primeira loja em Alagoas: “As expectativas para Maceió são altas”

A longa fila de pessoas aguardando a abertura do Parque Shopping Maceió na manhã de sexta (16) mais parecia de um grupo de fãs à espera do ídolo.

No caso, tratava-se dos fãs alagoanos aguardando a abertura da primeira loja no Estado da Sephora, rede de cosméticos criada na França no final dos anos 1960 (e comprada em 1997 pelo conglomerado de luxo LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton) com mais de 1750 lojas em todo país que abriu em Maceió sua quarta loja do Nordeste, com a presença da CEO da rede no Brasil, Andrea Orcioli.

“Estamos empolgados e energizados com todo carinho que recebemos aqui em Alagoas”, diz a CEO da rede, que falou com AGENDA A sobre a estratégia de expansão da marca no Nordeste e das razões que levaram a empresa a escolher Maceió para abertura da nova loja.

Confira abaixo:

A Sephora chegou ao Brasil em 2012, mas só recentemente vem se expandindo com mais força no Nordeste, com a abertura de lojas este ano em Fortaleza e Maceió. O que motivou a decisão da primeira loja em Alagoas?

Desde que abrimos nossas primeiras lojas em Salvador e Recife, aprendemos bastante com o mercado local e enxergamos novas oportunidades para aumentarmos nossa presença e alavancarmos  awareness (consciência de marca) na região. Quando abrimos nossa primeira loja em Salvador, por exemplo, realizamos uma série de ações e eventos específicos locais para ouvirmos e conhecermos mais os clientes, o que teve um grande impacto na melhoria dos resultados. Este ano, o crescimento de vendas nas lojas do Nordeste tem sido, comparativamente, maior do que o de outras regiões. As cidades do Nordeste também sempre estão entre as cinco maiores em número de seguidores em nossas redes sociais. Outro fator que levamos em conta são as vendas online, que mostram o desejo dos consumidores pela experiência da loja física. Por mais que a experiência do e-commerce seja positiva, ela sempre continua incompleta se o cliente não tem a chance de provar novas fragrâncias ou testar a tonalidade de uma cor. A complementaridade do online com a experiência de uma loja física é essencial para as vendas digitais. Com base nesses indicadores, que vão dos números das vendas online aos gigantescos acessos, pedidos e comentários nas redes sociais, foram essenciais para nossa decisão de expandir a presença física na região com a abertura este ano das lojas em Fortaleza, em abril e, agora, em Maceió, onde também temos expectativas altas.

Vocês levam em conta também as diferenças de hábitos e padrões de consumo por região antes de abrirem uma loja como a de Maceió? 

Quando abrimos uma nova loja, tentamos oferecer o mix completo de produtos para garantir a experiência total da marca ao consumidor. Mas sempre acompanhamos diferenças de padrões por segmento de produtos. No caso da loja em Fortaleza, notamos uma demanda inicial bem maior por segmentos de maquiagem e skincare, por exemplo, do que o de fragrâncias. O que de certa forma é natural, já que a loja física tornou possível a esses clientes um contato bem mais próximo de nossa linha de grandes marcas exclusivas (como Rare Beauty, Drunk Elephant, Nars, Sephora Collection). Estamos sempre escutando o cliente e acompanhando essas tendências, até para garantir a reposição mais rápida nas lojas.

Como toda rede que trabalha com produtos importados, a Sephora é diretamente afetada pela pela oscilação do dólar e do euro – o que pode tornar alguns produtos com preços proibitivos para o consumidor brasileiro e nordestino. Como vocês lidam para diminuir o impacto do câmbio no repasse do valor dos produtos?

Essa é uma preocupação, sim, porque a Sephora quer ser sempre uma marca que pertença a todos, com alta qualidade e variedade de produtos. Para diminuir esse impacto, trabalhamos em várias frentes. Uma delas é tornar mais competitivo e acessível os produtos importados exclusivos da própria marca, como Sephora Collection. Outra frente é busca de novos produtos inclusive das chamadas “influ brands” (marcas de influenciadores) com parcerias com a Mari Maria  (que esteve na abertura em Maceió), Bruna Tavares, além de aproximarmos nossa comunicação com os clientes mais jovens por meio de outros influenciadores.

A loja de Maceió terá algum diferencial em relação a outras lojas?

Essa é a primeira loja da rede no Brasil já inaugurada dentro do novo projeto global de iluminação da Sephora, o que sempre foi uma preocupação da marca. Sabemos da importância da iluminação para uma loja que vende linhas de maquiagem garantir, por exemplo,  que as pessoas possam ter a certeza de que aquela tonalidade escolhida na loja não terá outro aspecto quando ela testar na pele ao chegar em casa.   

Qual o investimento da rede para abrir uma loja como a do Parque Shopping Maceió e a expectativa de retorno?

Não posso abrir esses dados do investimento na loja, mas posso dizer que todo o investimento e trabalho na abertura como a da Sephora em Maceió começa muito antes da inauguração. Da primeira visita e negociação com o shopping ao planejamento das ações e parcerias com influenciadores locais, a inauguração é apenas o momento de execução de um trabalho iniciado há pelo menos um ano. Estamos felizes e encantados com todo o carinho que recebemos dos alagoanos. Todo esse carinho faz com que saia daqui mais energizada e com as melhores expectativas.